Fiando com um fuso

Fuso é um objeto utilizado para fiar (= fazer fio) que já serve ao homem a milênios. Sua data de origem exata foi perdida, mas arqueólogos encontraram objetos semelhantes ainda na era neolítica.

Um fuso nada mais é que uma haste na qual se prende um contrapeso para dar estabilidade na hora de girar. E é nesse girar que o fio se faz a partir da fibra que a fiandeira vai soltando de suas mãos para a haste. Um fuso pode ser feito de madeira, metal, pedra, plástico e se você sair procurando aí pela internet vai encontrar gente que improvisou o seu com lápis e cds.

Hoje em dia, pouco vemos gente fiando por aí ou até mesmo que reconheça um fuso, mas no passado era ocupação de famílias inteiras: no fim do inverno, recolhia-se a lã dos animais, que era lavada e cardada. E pelo resto do ano, essa fibra toda deveria ser fiada para virar roupas, cobertores e demais tecidos necessários para a sobrevivência da família na próxima estação gelada.

Não era moleza, não. Fiar quilos e quilos de fibra a mão era trabalho para meses sem fim. E para facilitar o serviço que não acabava nunca, alguém inventou, por volta do século XI a roca, que agilizou muito a produção.

Com a Revolução Industrial, os fusos e rocas foram aposentados. As máquinas passaram a se ocupar do trabalho enfadonho, cansativo e longo e o que antes eram objetos presentes em todas as casas, ninguém mais lembrava que existiram. Só com a recente onda de revalorização dos trabalhos manuais é que eles estão voltando a ter espaço, tanto quanto outras manualidades como o tricô e o crochê. E como tudo que não é um dever, uma obrigação, virou hobby e até meio de vida de muitas artesãs. Afinal, é um contentamento fiar o próprio fio que se vai utilizar para fazer uma peça.

Você também pode ter o seu fuso e aprender a fiar.

Em nossa loja virtual, você encontra dois tipos de fuso: top whorl, usado para fiar fios mais finos,  e bottom whorl, para fios mais grossos.

.

>> Interessada em comprar fibra? Conheça nossas cores.

Bottom whorl e top whorl.
Print Friendly, PDF & Email

4 respostas para “Fiando com um fuso”

  1. Boa noite! Meu nome é Graca Reis nasci em ponte nova, Minas Gerais, minha vovó tecia usava o fuso, descarossava o algodão, batia (cardava) fazia a linha e tecia peças lindas de crochê, aprendi a fazer crochê, mas a usar o fuso não, mudei muito cedo de lá e tive que trabalhar aos 14 anos, mas nunca esqueci essa arte maravilhosa de tecer, minha querida vovó me deixou a muitos anos eu hoje tenho 66 anos mais todos os tipos de arte!e parabenizo e agradeço a Deus a arte em nossas vivas! Arte faz parte da vida! Que bom que vocês existem! Ainda tenho vontade de aprender a usar fuso, foi a meu primeiro encontro com a arte!Feliz 2015 e muita luz e sucesso em suas vidas!!!

  2. Nussa, que coisa mais linda do mundo! Cheguei aqui por causa do blog da Jane Rotta, porque eu adoro essas coisas, embora não saiba tricotar nem nada. Mas, reconheço como é um mundo maravilhoso esse!! Beijo enorme pra vocês!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *